Pesquisar este blog

Tradutor

sexta-feira, 29 de junho de 2012

Mais uma carta queimada e vem mais por ai...

Estamos falando em redução de IPI e incentivo ao consumo desde novembro de 2011. Pois bem, a data para o término da redução do IPI para a linha branca era em março, prorrogado até junho e agora até agosto. Até onde vai essa ciranda? 

É repetitivo, cansativo e está ficando insuportável perceber que os comunicados do Governo não tem mais credibilidade e tudo o que é dito, pode ser desmentido logo adiante. 


Essas ações mais parecem negociatas em benefício dos próprios empresários dos setores do que realmente ações voltadas para resolverem a situação. Quase um ciclo vicioso onde quem não chora não mama.


Estamos ou não imunes à crise? Estamos ou não em crise? Sairemos ou não da crise? O que vemos são ações desesperadas para ao fim de cada período refazer as contas do crescimento previsto para o ano, isto é, crescimento quase nulo como a última fala do Ministro da Fazenda.


Crescimento quase nulo?

Revisão do PIB a cada três meses? Banco Central reduz previsão de crescimento do PIB mais uma vez, agora de 3,5% para 2,5%. No artigo anterior a previsão de crescimento para o segundo semestre era de 5%.

Processo de desindustrialização?

Aumento do endividamento das famílias brasileiras?

Passamos por isso em 2008 e não aprendemos? Infelizmente, parece que não, pois tudo continua na mesma, e vem mais por ai, a próxima prorrogação será do IPI dos automóveis, alguém ainda duvida?



Ações são necessárias sim para enfrentar a crise, mas o que vemos é que estas ações são paliativas e não definitivas. Em contra partida, para sair da crise, o Governo com esse comportamento, não está blindando a sociedade e o custo disso tudo está claro com o endividamento das famílias que são incentivadas a consumir a todo momento sendo que os prazos das reduções dos impostos são prorrogados constantemente. Isso faz com que as famílias não utilize a ferramenta "Planejamento Financeiro" e compre cada vez mais por impulso, comprometendo ainda mais o seu orçamento.


Veja a matéria do Portal G1 em 29/06/2012

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciou nesta sexta-feira (29) que será prorrogada por mais dois meses a redução das alíquotas de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para produtos da linha branca, como geladeira e fogão. Sem a prorrogação, o IPI menor terminaria neste sábado.
O governo também prorrogou, por mais três meses, a redução das alíquotas do IPI para móveis, laminados, papel de parede e luminárias.  O anúncio foi feito após o ministro se reunir na tarde desta sexta, em São Paulo, com representantes da indústria de eletrodomésticos, móveis e varejo.
“É bom que a população aproveite porque está terminando. É bom o pessoal ir às compras”, disse Mantega.aos jornalistas.
Mantega fala à imprensa nesta sexta (Foto: Darlan Alvarenga/G1)
Mantega fala à imprensa nesta sexta (Foto: Darlan
Alvarenga/G1)
O ministro informou também que tentará incluir no novo decreto a redução de 5% para zero ad alíquota de IPI para painéis de madeira. A "tentativa", segundo o ministro, é porque o decreto com os anúncios desta sexta já estava pronto, e precisará ser alterado para incluir o item. Mantega garantiu, porém, que o produto também terá IPI zero até setembro.
A redução do IPI para os painéis foi uma solicitação da indústria de móveis, segundo Mantega, uma vez que o item é considerado uma das principais matérias primas na fabricação de móveis.
Mantega também anunciou a prorrogação, até o final do ano, da isenção de cobrança do PIS e da Cofins sobre massas, que valeria até este sábado. A alíquota, que era de 9,25%, foi reduzida em dezembro do ano passado. A isenção de PIS/Cofins sobre os pães já tinha validade até dezembro deste ano.

Contrapartidas 
Mantega destacou que, com a prorrogação dos tributos menores, tanto a indústria quanto o varejo se comprometeram a manter o repasse da redução de imposto ao consumidor, bem como a manter o nível de emprego, com expansão. Os empresários firmaram ainda o compromisso de manter o nível de nacionalização dos produtos.

Os empresários presentes ao encontro informaram que, com a redução da tributação, as vendas da linha branca cresceram 22% de janeiro a maio na comparação com o ano anterior. Já no setor de móveis, houve alta de 2,5% na produção da indústria no acumulado do ano. O setor acredita que com a prorrogação do incentivo poderá crescer até 6% neste ano.
Renúncia fiscal
A redução de tributos deve custar ao governo uma perda de R$ 684 milhões em arrecadação. A renúncia fiscal sobre a linha branca deve ficar em R$ 180 milhões para os dois meses. Para os móveis, sem incluir os painéis, a renúncia deve somar R$ 197 milhões.

Outros R$ 22 milhões representam os cortes de imposto sobre luminárias, laminados a papel de parede. Já a isenção de PIS e Cofins sobre as massas deve somar R$ 285 milhões.
Motivos
A redução do imposto para linha branca foi anunciado, inicialmente, na primeira etapa da crise financeira, em 2009. Posteriormente, voltou a ser implementado no fim do ano passado, sendo renovado em março deste ano por mais três meses.

Por trás da redução da cobrança, está a intenção do governo de combater os efeitos da crise financeira internacional na economia brasileira e estimular o Produto Interno Bruto (PIB), que sente o impacto da crise financeira internacional. No primeiro trimestre deste ano, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o crescimento, calculado sobre os três últimos meses do ano passado, foi de apenas 0,2%.
Na semana passada, Mantega tinha negado que uma nova prorrogação da medida pudesse ocorrer. Segundo ele, o governo não "pensa" em prorrogar o IPI baixo.
Os empresários, no entanto, pressionaram pela renovação. No último dia 20, o presidente da Associação Nacional de Fabricantes de Produtos Eletroeletrônicos (Eletros), Lourival Kiçula, se reuniu com o secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa, para pedir a renovação da medida.
Fazenda espera crescimento acima de 2,7% em 2012
Questionado sobre o crescimento da economia no ano, o ministro da Fazenda afirmou que continua otimista. “Eu vou falar de projeção do segundo semestre. No segundo semestre, nós estaremos crescendo 3,5% a 4%”, disse Mantega.

Sobre o crescimento do PIB no ano, Mantega disse que a meta é ficar “acima do que nós crescemos no ano passado”, quando ficou em 2,7%.
Questionado se as projeções da Fazenda para o ano não estariam otimistas demais, uma vez que o próprio Banco Central (BC) já projeta que o crescimento do país no ano ficará em 2,5%, o ministro disse acreditar que o conjunto de que estão sendo aplicadas pelo governo ajudarão na retomada do crescimento.
“Não é otimismo, é realismo. Na verdade, nós temos que trabalhar para conseguir atingir essas metas”, disse Mantega. “Se trabalharmos, se continuarmos reduzindo a taxa de juros, os spreads dos bancos – isso já está acontecendo –, se conseguirmos aumentar o crédito, se continuarmos reduzindo tributos e aumentando a competitividade da indústria brasileira, nós vamos conseguir atingir metas mais ambiciosas”, completou.
Texto adaptado e comentado por Emerson Santana
*Graduado em Ciências Econômicas pela UFSJ – São João Del Rei/MG
* Especialista em Gestão em Finanças  pela UFSJ- São João Del Rei/MG
* Consultor Administrativo e Financeiro
* Ministra Cursos de Orçamento Pessoal e Familiar
* Ministra Cursos de Gestão Financeira para MPE's in Company







quinta-feira, 28 de junho de 2012

Perdeu o controle das finanças?


O consumo, muitas vezes, pode ser um vício. E comprar de forma descontrolada, sobretudo, itens desnecessários pode gerar dívidas difíceis de administrar. Se você se identifica com essa situação, mas realmente deseja colocar as finanças em ordem, a solução é cortar as brechas por onde possa haver descontrole das despesas.
A autora do livro “Assuma o controle das suas finanças”, Denise Campos de Toledo, dá uma série de dicas que podem ajudar nesse processo. E a primeira delas é começar restringindo seus meios de pagamento. Embora os consumidores possam ter diversos cartões de crédito, um de cada banco, se não souber se controlar, é melhor que não tenha.
“Se tiver vários, é melhor cancelar alguns. Fique com apenas um deles – com o de limite menor – e use-o somente para uma compra planejada”, sugere. Denise também aconselha os descontrolados a não saírem de casa com o cartão, assim evita-se as tentações.
A autora reconhece que a culpa não é apenas dos consumidores. Com tanta propaganda, que nos atinge via televisão, telefone e ofertas aparentemente irresistíveis, além da facilidade de comprar o mundo na comodidade do lar - via internet -, perder o controle realmente fica fácil.
Cuidado com o crédito caro
Além de manter o cartão de crédito o mais afastado possível das mãos, vá ao banco e peça uma redução dos limites do cheque especial. É importante entender que esse limite não é uma renda adicional. Mas, sim, um dinheiro que você paga para ter acesso. Lembre-se que o limite do cheque especial e o rotativo do cartão de crédito são as linhas de crédito mais caras do mercado.

Com um limite reduzido, por mais que você seja descontrolado, o estrago que vier a fazer será pequeno. Ainda na estratégia de reduzir suas modalidades de pagamento, evite andar com o talão de cheques. Quando for sair, leve apenas uma folha – apenas para o caso de uma emergência.
Gastos rotineiros
Até nas compras inevitáveis, ou seja, aquelas que fazemos rotineiramente como supermercado ou farmácia, é preciso reduzir as possibilidades de gastar mais do que o previsto, para não comprometer o orçamento. Nesses casos, a sugestão de Denise é que o consumidor faça uma lista prévia, calcule o quanto vai custar a compra e leve apenas o valor suficiente. Mas e se faltar dinheiro? A resposta é simples: paciência. Priorize as necessidades.

No lazer também vale alguns cuidados. Quando for ao cinema, prefira os que ficam fora dos shoppings ou galerias. Se não for possível, leve apenas o dinheiro dos ingressos e da pipoca.
Lazer
Quando estiver planejando uma viagem, lembre-se que aqui também é possível sair da linha. Se puder, pague antecipadamente a maior parte das despesas, como hospedagem, refeição e até os passeios. Quando já estiver no local, sempre saia do hotel com pequenas quantias. Gaste somente o que tiver planejado. Caso contrário, a satisfação das férias poderá se diluir em meio às dívidas.

Outro tema importante e que normalmente complica a vida dos descontrolados são as liquidações e promoções. Muitos pensam que comprar produtos em liquidação ou promoção é uma forma inteligente de usar o dinheiro. Grande engano. “Comprar o que não precisa (mesmo que em promoção) é jogar dinheiro fora”, diz Denise.
Fonte: InfoMoney - site do yahoo em 28/06/2012

segunda-feira, 25 de junho de 2012

10 multas de trânsito improváveis, mas que existem e custam caro!!!


As regras de trânsito são claras, porém, com o tempo, os motoristas acabam ignorando algumas dessas exigências.
Atitudes tão comuns de se ver no trânsito, como dirigir com o braço para fora da janela ou condutores que dirigem devagar demais são infrações que podem custar caro ao motorista.
Sim, elas existem


Algumas infrações de trânsito já fazem parte do dia-a-dia dos motoristas, que desconhecem que tais atitudes podem ser consideradas ilegais e passíveis de multa. Veja quais são:

1. Nada de banho: uma cena muito comum nos dias de chuvas é a formação de imensas poças d’água nas vias, e ainda mais comum é ver os motoristas apressadinhos passando por essas poças, arremessando água para todos os lados. Por mais comum que pareça, essa atitude pode descontar 4 pontos na CNH, além de multa de R$ 85,13;
2. Cinzeiro: para os fumantes de plantão, nada de jogar a bituca pela janela. Se um agente de trânsito ver essa atitude, ela pode render uma multa leve, que custa R$ 53,20. O mesmo vale para quem jogar algum tipo de líquido pela janela;
3. Nada de show: usar o veículo em locais públicos para tentar dar um show de manobras radicais no trânsito está sujeito à multa de 7 pontos, considerada gravíssima, além de pagar R$ 191,54 e ter a habilitação e o veículo retidos;
4. Sem seguir o doente: nos dias de trânsito mais intenso é comum ver alguns motoristas espertinhos tentando seguir as ambulâncias para saírem do congestionamento. Mas estão errados se pensam que tirar vantagem da urgência da ambulância não é uma infração. Pelo contrário, essa atitude é considerada grave, ou seja, o motorista ganha 5 pontos na habilitação, além de multa de R$ 127,69. Além das ambulâncias, a regra vale também para viaturas de polícia, carros de bombeiros e da CET.
5. Pela chuva: mesmo que o motorista tenha a capacidade de dirigir na chuva sem o uso do limpador de para-brisa, o Contran julga a prática grave e por isso, o motorista que for pego dirigindo na chuva sem utilizar o limpador, ganhará cinco pontos na habilitação e terá de pagar uma multa de R$ 127,69.
6. Sem lerdeza: dirigir acima da velocidade indicada para a via todo mundo sabe que pode ser multado, mas poucos sabem que trafegar abaixo do limite permitido para a via também é considerado infração, neste caso, média e custa R$ 83,13. Só é permitido conduzir um veículo abaixo do limite quando as condições climáticas ou de trânsito impusem isso.
7. Esqueça o bronzeado: é comum, principalmente nos dias mais quentes, ver motoristas dirigindo com o braço esquerdo pra fora da janela. Por ser uma situação que pode causar graves acidentes, colocando em risco, inclusive a integridade física do condutor, dirigir com o braço pra fora pode custar R$ 85,13, além de 4 pontos na habilitação.
8. De olho na reserva: mesmo que por pura desatenção, deixar de abastecer o veículo pode custar bem caro. Caso o carro pare na rua por falta de combustível, conhecida como pane seca, além da infração leve ir para a habilitação, o motorista terá que pagar multa de R$ 53,20.
9. Seta foi feita para usar: mesmo que todos os motoristas saibam para que servem as setas, alguns acabam esquecendo de usá-las. Para esses condutores esquecidinhos, não usar a seta pode custar R$ 127,69 e cinco pontos na carteira de habilitação.
10. Sem bate-papo: alguém já deve ter notado que alguns motoristas têm o costume de dirigir em fila dupla para conversar com o motorista do carro vizinho. O problema dessa inocente conversa é que ela se trata de uma infração leve com multa de R$ 53,20.
Fonte: InfoMoney - site do yahoo dia 25/06/2012

Curso de Gestão Financeira para CFC - Agradecimento!!!


A Setes Consultoria e ES-Consultoria;

vem por meio deste agradecer a participação, o envolvimento e a confiança depositada em nossos serviços. 

Desejamos que a busca pelo conhecimento seja infinita e nos sentimos realizados por termos colaborado com uma pequena parcela nesta caminhada de todos vocês.


Esperamos revê-los em breve em novos cursos que serão oferecidos e obrigado por ter feito desse encontro, mais um evento de  Sucesso!!!

Sucesso Sempre!!!

Att.

Emerson Santana e Roberta Torres

BIS destaca comprometimento do brasileiro com dívidas!!!


O Banco para Compensações Internacionais (BIS, na sigla em inglês) observou que o crédito germinou em várias das grandes economias emergentes nos últimos anos, entre elas no Brasil. Em seu relatório anual, divulgado neste domingo, dia 24, o BIS observa que é difícil distinguir se a evolução do crédito poderia anteceder um risco no futuro ou se seria apenas um efeito da evolução natural e do aprofundamento do sistema financeiro do país. Mesmo assim, o BIS destaca alguns indícios importantes que podem dar pistas sobre a qualidade do crédito nos países, entre elas a do nível de comprometimento das famílias e empresas com o pagamento da dívida. E no Brasil, segundo o banco, esse patamar está alto.

Segundo o BIS, o direcionamento de recursos das famílias e empresas do Brasil para cumprimento de obrigações financeiras está no nível mais elevado desde o final dos anos 90. "A proporção do PIB que as famílias e empresas do Brasil, China, Índia e Turquia estão alocando para o serviço da dívida está no nível mais elevado ou perto desse topo desde o final de 1990", destaca a instituição. "E essa medida pode subir ainda mais se as taxas de juros aumentarem em relação aos patamares baixos atuais", alerta o BIS.
"O crédito real na Turquia, Argentina, Indonésia e Brasil superou o ritmo do Produto Interno Bruto (PIB) e o crédito até se acelerou ao longo dos últimos três anos", observa. Na China, o crescimento do crédito real foi de quase 20% a cada ano nos últimos três anos, mas o ritmo de expansão se desacelerou recentemente.
"O crescimento rápido do crédito não é necessariamente ruim. Os sistemas financeiros de várias economias emergentes ainda estão relativamente subdesenvolvidos e várias famílias e empresas não têm acesso aos mercados formais de crédito", observa o BIS, considerado o Banco Central dos bancos centrais.
"Portanto, a expansão rápida do crédito pode refletir tanto desenvolvimento financeiro, como um excesso financeiro. E mesmo em economias desenvolvidas, o crescimento rápido de crédito não é por si só um precursor de vulnerabilidades financeiras", destaca o relatório, que está disponível no site da instituição.
O BIS alerta que o crescimento do crédito que suplanta a capacidade das instituições financeiras de avaliar e processar os empréstimos pode resultar em decisões ruins de concessão de crédito e estresse financeiro no futuro mesmo em circunstâncias nas quais a proporção do crédito em relação ao PIB é baixa.
A instituição observa que não há uma forma conclusiva para distinguir os desequilíbrios financeiros e o aprofundamento financeiro que evolui rápido, mas com crescimento sustentável de crédito. "Mas a expansão do crédito significativamente acima da tendência de longo prazo, abre o chamado gap de crédito e sempre antecede crises financeiras", alerta a instituição. No momento atual, vários, mas não todos os países com ritmo acelerado de crescimento do crédito têm gaps de crédito que superam 6%, níveis que no passado sempre sinalizaram um presságio de dificuldades financeiras.
Desequilíbrios
Os preços dos ativos também parecem cada vez mais pujantes em várias economias emergentes. "Em alguns mercados brasileiros importantes, os preços dos imóveis mais que dobraram desde a eclosão da crise do subprime (EUA)", citou o banco. Mas a apreciação real dos ativos imobiliários é ainda mais pronunciada na China, já que os preços do terreno em Pequim e Xangai quase quintuplicaram desde 2004.
"Em todos esses mercados emergentes, os desequilíbrios parecem que estão se formando, especialmente, dentro de determinadas regiões ou segmentos de mercado (como o de casas de alto padrão na China)", destaca o BIS.
Dilema
O banco observa que em um momento no qual as taxas de juros estão baixas na maioria das economia avançadas e os mercados emergentes estão recebendo fluxos de entradas intensos, a política monetária enfrenta um dilema. As taxas baixas de juros não vão claramente desacelerar o boom do crédito, mas as taxas de juros mais altas vão atrair ainda mais fluxo de capital e dar combustível para o boom doméstico de crédito, lembra a instituição.
Para combater isso, o BIS recomenda que as taxas de juros mais altas sejam acompanhadas de medidas macroprudenciais, como compulsórios mais altos ou condições mais apertadas na relação entre o valor do produto e o total que pode ser emprestado para sua aquisição. "E mesmo que essas ferramentas fracassem em desacelerar o crédito significativamente, elas devem, pelo menos, reforçar o sistema financeiro contra as consequências de um estourou do crédito." (Patricia Lara)
Fonte: Agência Estado - site do yahoo - 25/06/2012

terça-feira, 19 de junho de 2012

Cuidados com a segurança do Cartão de Crédito!!!


Durante as férias, as famílias intensificam o uso do cartão de crédito devido à praticidade e o menor risco de andar com o dinheiro no bolso ou cartão da conta do banco.
Segundo o CPP, empresa especializada em serviços de marketing, antes de viajar o consumidor que opta por este modelo de pagamento precisa verificar com a operadora se está tudo certo com o cartão. 


Verifique o limite, se possui algum tipo de seguro e, em casos de viagem internacional, pergunte o se o cartão está desbloqueado para compras fora do país.

Lembre-se também de fazer seus pagamentos com calma, para evitar riscos de esquecer ou perder o cartão após a compra.
Mais cuidados
As mulheres são as maiores vítimas de roubos em lojas, supermercados e centros comerciais, portanto, elas devem manter o cartão sempre em segurança em lugares de difícil acesso.

Os homens, por sua vez, são os mais desatentos e, por isso, mais propensos a perder o cartão. Para eles, a dica é fazer os pagamentos com atenção e guardar o cartão imediatamente após o pagamento.
É importante que as pessoas não deixem a carteira nem o celular à vista em locais públicos.
Em caixas eletrônicos, mantenha a mão cobrindo o teclado quando digitar senha e, se achar que alguém anotou a senha, altere imediatamente. Se observar algo anormal ou sinais de alterações no caixa eletrônico, não utilize-o e denuncie a situação a polícia.
Cuidado com as compras on-line, certifique-se de que o site é seguro e ao terminar a aquisição realize o logout corretamente.
Ao notar a falta do cartão, ligue para operadora e faça a o bloqueio do serviço. Isso evitará possíveis compras indesejadas na próxima fatura.

Fonte: Infomoney - site yahoo em 19/06/2012

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Você conhece uma poderosa arma chamada Gestão Financeira?



QUANDO FOI A ÚLTIMA VEZ QUE VOCÊ INVESTIU NO CRESCIMENTO PROFISSIONAL DA SUA EMPRESA?


“CURSO DE GESTÃO FINANCEIRA PARA CFC”


10 HORAS DE TREINAMENTO
NUMA VERDADEIRA IMERSÃO EM GESTÃO FINANCEIRA
APROVEITE!

Atenção proprietários e diretores de CFCs. Se você tem o interesse em utilizar esta Poderosa Arma de Gestão Financeira, invista no seu treinamento. O próximo curso da  Setes Consultoria e Treinamento em parceria com o CENTEC e IBESTacontecerá no dia 23/06/2012 com Emerson Santana, economista, pós-graduado em gestão estratégica em finanças, pós-graduado em gestão, segurança e educação para o trânsito, professor de administração para o curso de formação de diretor geral de CFC, sócio-proprietário da ES Consultoria Financeira e com grande experiência no mercado de Centro de Formação de Condutores.


VAGAS LIMITADAS!

1 OBJETIVOS
·        Demonstrar que o planejamento das finanças não visa apenas o sucesso financeiro. Ele é relevante para o sucesso pessoal e profissional;
·        Apresentar de forma simples e objetiva as definições e utilização dos Instrumentos Básicos de Gestão Financeira;
·        Demonstrar que diante da implantação de uma rotina financeira, é possível coletar e obter dados para análise, elaboração e apresentação de um diagnóstico das atividades da empresa.
·        Proporcionar de forma simples e objetiva, recomendações, regras e técnicas para a recuperação financeira e a administração dos recursos de forma racional tanto nos períodos de turbulência como nos períodos de tranqüilidade econômica.
·        Através do treinamento e capacitação demonstrar e conscientizar a importância da administração dos recursos financeiros para o equilíbrio da empresa na obtenção do Sucesso Pessoal e Profissional.
2 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
2.1 PLANEJAMENTO FINANCEIRO
  • O Planejamento Financeiro evita gastos excessivos;
  • Por que planejar as finanças pessoais;
  • Planejamento Financeiro e Imposto de Renda;
  • Todo sonho tem um preço;
  • Orçamento Pessoal e Familiar, aprenda a fazer;

2.2 INSTRUMENTOS BÁSICOS DE GESTÃO FINANCEIRA
  • Regime Diário de Caixa;
  • Movimentação Bancária;
  • Controle Diário de Vendas e Estoque;
  • Controle de Contas a Receber;
  • Controle de Contas a Pagar;
  • Fluxo de Caixa.

2.3 CONSOLIDADO DAS DESPESAS E FATURAMENTO
Demonstração da consolidação dos resultados.

Mais informações:
(31) 9328-6335
(31) 9112-4764
(31) 3262-2726

Inscrições:
Depósito bancário.
Banco Itaú
Agência: 2979
Conta:20107-2

ou
Banco Santander
Agência: 3305
Conta: 01.001.767-3
Investimento: R$ 250,00



Continue nos visitando