Pesquisar este blog

Tradutor

terça-feira, 25 de junho de 2013

Entenda o que são: Constituinte, Plebiscito e Reforma Política

A presidente Dilma Rousseff propôs na segunda-feira (24), em reunião com governadores e prefeitos de capitais, um debate sobre a convocação de um plebiscito para que os eleitores decidam se querem ou não a criação de uma Constituinte específica destinada a fazer a reforma política, que pode mudar a atual forma de escolha de governantes e parlamentares, financiamento de campanhas eleitorais, coligações entre partidos, propaganda na TV e no rádio, entre outros pontos.

"Quero neste momento propor um debate sobre a convocação de um plebiscito popular que autorize o funcionamento de um processo constituinte específico para fazer a reforma política que o país tanto necessita. O Brasil está maduro para avançar e já deixou claro que não quer ficar parado onde está", disse a presidente, no Palácio do Planalto, quando defendeu ainda a adoção de outros quatro pactos nacionais: por responsabilidade fiscal, saúde, transporte, e educação.

O pedido de Dilma Rousseff, no entanto, provocou divergências entre lideranças da oposição e membros governistas do Congresso. As questões legais que envolvem a convocação de uma Constituinte específica para um só tema também foram polêmicas entre juristas ouvidos pelo G1.

O que é
A Assembleia Nacional Constituinte reúne pessoas escolhidas para redigir ou reformar uma Constituição, lei maior de um país e que rege todas as outras leis vigentes. A atual Carta do Brasil é de 1988 e não contou com pessoas eleitas exclusivamente para a tarefa, tendo sido elaborada por deputados e senadores eleitos em 1986, que puderam cumprir o restante dos mandatos depois de terem terminado de escrever a Carta Magna.


Problema
Segundo juristas ouvidos pelo G1, não há previsão legal de uma constituinte específica para um único tema, como propôs Dilma em relação à reforma política, visto que os constituintes, como tais, teriam poder para deliberar sobre quaisquer assuntos. Além disso, a Constituição brasileira não prevê a convocação de constituinte.

Possibilidade
Outros especialistas, no entanto, dizem que a reforma de apenas uma parte da Constituição pode, sim, ser feita por uma constituinte exclusiva. Para isso, no entanto, seria preciso que o Congresso Nacional aprovasse uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que preveja a convocação de constituinte para debater determinado tema.

Opiniões
Carlos Velloso, ex-presidente do STF
"Uma Constituinte é convocada para mudar uma Constituição inteira. Isso é um despropósito. Não se tem Constituinte pela metade, não se tem poder constituinte originário só em alguns pontos. Mas não precisamos disso. Temos uma boa Constituição, democrática, que só precisa ser alterada em alguns pontos."
Ives Gandra Martins, professor de Direito e jurista
"É este [aprovação de PEC] o único caminho, porque a Constituição, no artigo 14, declarou que o plebiscito só pode ser convocado pelo Congresso Nacional através de lei, o que vale dizer, lei ordinária. Para um plebiscito, para mudar a constituição, só pode ser através de emenda constitucional."

O que é
O plebiscito é a convocação dos eleitores do país a aprovar ou rejeitar questões de natureza constitucional, legislativa ou administrativa. A Constituição estabelece como competência exclusiva do Congresso propor um plebiscito. Para ser criado, ele precisa ser encaminhado em projeto de decreto legislativo na Câmara ou no Senado. A medida deve ser aprovada em cada uma das Casas por maioria absoluta (metade mais um de todos os parlamentares). Na Câmara, são necessários 257 votos favoráveis. No Senado, 41.


Como funciona
O texto do projeto deve prever se a votação será obrigatória ou não e sobre qual assunto a população vai decidir, podendo indicar a data da consulta e a pergunta exata que será feita. Depois de promulgado pelo Congresso, o decreto legislativo é enviado ao Tribunal Superior Eleitoral, a quem cabe definir data da votação, tempo de propaganda, regras da campanha. O processo ocorre exatamente como numa campanha eleitoral comum, com tempo de rádio e TV e possibilidade de distribuição de panfletos.

Caso mais recente
O último plebiscito realizado no Brasil ocorreu em dezembro de 2011 e abordou a divisão do Pará. O projeto de decreto legislativo havia sido aprovado em maio daquele ano. O processo eleitoral levou sete meses para ser organizado. A população do estado rejeitou a criação dos estados do Carajás e de Tapajós. Naquela ocasião, a consulta custou R$ 19  milhões.

Opiniões
Marco Aurélio Mello, ministro do STF
"Talvez seja necessário o povo se pronunciar. Tecnicamente, não há necessidade de convocar Constituinte, mas [fazer a mudança] por emenda."
Carlos Ayres Britto, ex-presidente do STF
"Não se pense que o povo pode ir além em plebiscito do que o Congresso pode por lei. O povo só pode decidir sobre aquilo que o Congresso pode legalmente."

O que é
A reforma política é um conjunto de propostas debatidas no Congresso Nacional para tentar melhorar o atual sistema eleitoral e político brasileiro. Entre os temas estão sistema eleitoral,
financiamento eleitoral e partidário, coligações, alteração das datas de posses, entre outros. O caráter polêmico da maioria das propostas é responsável pos sucessivos adiamentos das votações, atrasando mudanças com relação ao tema.

Projetos
Uma das PECs sobre reforma política na Câmara
 dos Deputados tem relatoria do deputado Henrique Fontana (PT-RS) e prevê o fim de coligações partidárias em eleições proporcionais, a realização de todas as eleições em uma única data, a alteração da data de posse de presidentes, prefeitos e governadores, e a facilitação da participação popular na proposição de projetos de lei e emendas constitucionais. Um projeto de lei do deputado gaúcho prevê o financiamento exclusivamente público das campanhas eleitorais e a possibilidade de o eleitor votar ou no candidato ou no partido.

Adiamento e alternativas
Em abril de 2013, líderes da Câmara dos Deputados
 negaram conceder caráter de urgência para que projetos de reforma política fossem apreciados pelo plenário antes de passar pelas comissões da Casa. Na segunda (24), três entidades da sociedade civil - OAB, CNBB e Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE) - apresentaram texto de projeto de lei de iniciativa popular para reforma política. Para que a proposta seja oficialmente apresentada ao Congresso e comece a tramitar, é preciso o apoio de 1% do eleitorado do país.

Opiniões
Henrique Eduardo Alves, presidente da Câmara dos Deputados
"As propostas que as entidades e a presidente queiram apresentar serão bem recebidas. Faremos um grupo de trabalho para que no segundo semestre ela [reforma política] possa ser aprovada nesta Casa."


Henrique Fontana (PT-RS), relator de um projeto de reforma política na Câmara
"Há quantos anos ouço falar que a reforma política é prioridade, mas na hora de votar sempre se busca um consenso impossível e há uma dificuldade de construir uma maioria. Esta Casa tem que começar a votar, como puder, a reforma política. Se não pode votar três itens, vote um."





quinta-feira, 20 de junho de 2013

Agradecimento aos participantes Curso Aperfeiçoamento DG Centec BH em Junho/2013


A Exata Soluções Consultoria e Centec;


vem por meio deste, agradecer a participação, o envolvimento e a confiança depositada em nossos serviços. 

Desejamos que a busca pelo conhecimento seja infinita e nos sentimos realizados por termos colaborado com uma pequena parcela nesta caminhada de todos vocês.

Esperamos revê-los em breve em novos cursos que serão oferecidos e obrigado por terem feito desse encontro, mais um evento de  Sucesso!!!


Sucesso Sempre!!!



















A satisfação em lecionar está nos desafios e felicidade de vivenciar um aprendizado diferente a cada dia. 

Obrigado por terem me proporcionado mais um momento único de respeito, carinho, aprendizado e tantos outros sentimentos em minha vida.

A essa turma que também foi muito especial, a minha eterna gratidão.

Emerson Santana

Depoimentos

"Professor Emerson Santana, obrigado, nós é que temos que agradecê-lo por ter nos enriquecido tanto com o seu conhecimento,
Emerson eu particularmente, fico muito feliz quando encontro pessoas como você.
Um grande abraço que a Divina Mãe possa te dar forças sempre !  "
Matos Avelino

"Pessoalquero dizer a todos que a troca de experiência e informações nesse curso foi fantástica, sem contar o calor humano que foi intenso.
Já fiz vários cursos com turmas mais variadas e nenhum se aproxima do que passamos e sentimos no último final de semana.
Acredito que nada acontece por acaso, e Deus tinha um propósito quando nos reuniu neste curso.
Agradeço a todos e principalmente a vc, Emerson, por ter conduzido tudo tão bem.
Obrigada também pelo envio dos arquivos. Quando tiverem oportunidade de estarem por aqui, venham tomar um “café” com a gente.
Um forte abraço a todos"
Juliana Pelicho

"Caro Emerson, aproveito para registrar a minha satisfação referente ao curso ministrado, e que todos os integrantes da turma tiveram sua participação ativa."
Cleber Oliveira

   

terça-feira, 11 de junho de 2013

Você é um líder de foco aberto ou fechado ?

A pouco tempo eu estava lendo uma matéria escrita por Rosabeth Kanter, professora de Harward nos EUA, sobre foco do líder que achei bastante interessante, e passo a dar a minha visão do assunto.

A analogia é feita com uma lente de uma câmera fotográfica, na qual podemos aproximar o zoom para ver detalhes, e afastar para ter uma visão mais panorâmica, com este recurso a câmera nos permite ser eficiente nas duas situações. Da mesma forma o líder deve ter a capacidade de focar nos detalhes quando for necessária uma ação pontual, e abrir a visão quando necessitar de estratégia e planejamento global.

O problema é que existem líderes que apenas são eficazes num único ambiente, ou são bons nos detalhes ou são bons na visão macro, trazendo assim alguns problemas para a empresa. 

Estes líderes levam a empresa até um ponto, mas depois ficam com problemas de crescimento, pessoal, finanças e outros. Estes líderes podem ser gerentes de setores que impedem que os subordinados cresçam e se desenvolvam.

O líder que tem o foco fechado normalmente é mais empírico, não gosta de planejamento de longo prazo, age frente a seu gosto pessoal e não por estratégia organizada, busca resultados imediatos, resolve coisaspessoalmente sem dar um passo atrás para resolver na fonte o problema, o foco fechado demais faz o líder falar da sua vida pessoal com a equipe imaginando que isso gerará fidelidade, normalmente ele fica pessoalmente ofendido com críticas, o foco fechado por impedir a visão do todo.

O líder que tem o foco aberto precisa ver longe para satisfazer-se, quer mapear um território inteiro antes de agir, enxerga acontecimentos como problemas gerais e não individuais, normalmente divulga seus objetivos como algo longo e distante, abrir o foco demais ajuda o indivíduo a concentra-se em princípios maiores, o foco aberto pode confundir os subordinados que querem resultados mais rápidos e tangíveis, a visão muito aberta pode fazer o líder enxergar tão longe que não percebe ameaças de curto prazo.

Desta forma a grande lição é o líder entender que precisa ajustar o foco o tempo inteiro, não é bom trabalhar o tempo inteiro com o mesmo zoom, o fundamental é dar foco nos detalhes quando problemas pontuais acontecem, mas é fundamental também dar foco na visão de futuro para fazer a companhia ter longevidade, diante de uma crise deve fechar o foco no problema, mas para levantar a cabeça e pensar na empresa no ano seguinte é importante abrir o foco e olhar nos 360 graus.

O ideal é ter foco fechado nos detalhes, como por exemplo, entender o emocional das pessoas que trabalham juntos, e ao mesmo tempo ter foco aberto para ser estrategista de expansão da empresa nos anos seguintes. O líder eficaz coloca na sua equipe pessoas com foco fechado e aberto se complementando, não adianta ter liderados em um padrão único, então “Fechemos o foto nesse problema” e ao mesmo tempo “Abramos o foco para coloca-lo em perspectiva”, isso pode ajudar o indivíduo a não personalizar demais uma situação (e lembra-lo de abrir um pouco o foco para observar os princípios envolvidos), nem generalizar em excesso (e incentivá-lo a se ater mais à realidade da situação).

Desta forma, a grande missão do foco em zoom é que não temos que dividir o mundo em extremos –idiossincrático ou estrutural, situacional ou estratégico, emocional ou contextual, a ideia é não favorecer um ao outro, mas sim navegar bem por todos os mundos. A genialidade do presidente Bill Clinton estava em saber “sentir a dor” do outro e, ao mesmo tempo, colocar os fatos num contexto histórico e internacional.

Então aprenda a usar a lente zoom da sua liderança, certamente a sua carreira ou empresa crescerá acelerada e as pessoas que trabalham com você lhe admirarão muito mais.


Fonte: Ladmir Carvalho  Diretor Executivo – Alterdata Software

segunda-feira, 10 de junho de 2013

"Economist" critica desempenho da economia brasileira e ironiza Mantega

Mais uma vez a revista britânica critica a postura de Guido Mantega...

Será apenas uma implicância sem fundamentação?

Será que estamos imbuídos de um sentimento de prosperidade ilusória sem fim?

Esse Governo abandonou a meta de inflação, jogou a toalha literalmente; abandonou o conceito da política cambial - câmbio flutuante, isto é, age na economia interferindo nas ações do Bacen; abandonou o discurso da reforma tributária, enfim, até quando....????






sexta-feira, 7 de junho de 2013

Curso “Aperfeiçoamento da Qualidade” para instrutores (as) de CFCs

A Setes inova mais uma vez. Pensando cada vez mais no crescimento, aprimoramento e desenvolvimento profissional deste segmento, será lançado em Belo Horizonte o Curso de Aperfeiçoamento da Qualidade para instrutores de CFC.


Venha participar de mais esse evento de Sucesso!!!


Para realizar as inscrições, enviar
- Nome completo dos participantes
- Nome do CFC, endereço, telefone e e-mail.

Curso “Aperfeiçoamento da Qualidade”
para instrutores (as) de CFCs

O (A) instrutor (a) é extremamente importante em todo processo de formação de um (a) condutor (a). Tem a responsabilidade de ensinar a arte de conduzir um veículo que transcende a técnica. Para isso é importante que o (a) instrutor (a) possua habilidades que lhe permita conhecer melhor o (a) seu (a) aluno (a) e compreender melhor o espaço que ocupa na empresa.

Objetivos
Ø  Desenvolver no instrutor a capacidade de se reconhecer no ambiente de trabalho, sua responsabilidade no processo de formação de um condutor;
Ø  A importância do marketing pessoal para a vida profissional;
Ø  Conhecer as características psicológicas de seus alunos, possibilitando uma compreensão melhor do contexto que os envolvem e a que fatores eles estão expostos que vão afetar a sua condição emocional.  

Conteúdo programático
A importância da empresa na vida profissional do instrutor;
Marketing Pessoal;
Trabalho em Equipe;
Diferença entre os gêneros – Conhecendo melhor o aluno;
Conhecendo a Personalidade do aluno;
Fisiologia do medo – Compreendendo o medo do aluno;
Comportamento dos instrutores que intensificam o medo ou a dificuldade de aprender;
O comportamento adequado do instrutor para com seu aluno;
Métodos e técnicas para acelerar o aprendizado e ajudar o aluno a ter um controle emocional mais adequado nos dias de exame;
Consultor/professor
Péricles Simbera Santos CRP 04/22484 – Especialista em Psicologia do Trânsito pelo Conselho Federal de Psicologia, Especialista em Gestão, Educação e Segurança do Trânsito, Coordenador Técnico e Professor do Curso de Especialização de Psicologia do Trânsito/UNEC.


Atenciosamente,

--

Roberta Torres
Diretora Executiva


Simulador de Direção e Aula Noturna...

Olá amigos!


Tendo em vista a reunião realizada na data de hoje (06/06/13) na sede do DENATRAN em Brasília,onde estiveram presentes representando o DENATRAN o Dr. Morvan Cotrin – Chefe de Gabinete e a Sra. Maria Cristina Hoffmann, e por parte da FENEAUTO o Presidente  Sr. Magnelson Carlos de Souza, que esteve acompanhado pelos senhores Aldari Onofre Leite  e   Rodrigo Fabiano da Silva -  Presidente do Sindicato de Minas Gerais, sendo que na oportunidade foram debatidos os seguintes temas: 

- Simulador de Direção: O Chefe de Gabinete do DENATRAN informou que foi disponibilizado no site do DENATRAN na data de hoje uma Nota sobre o Simulador de Direção Veicular (anexo), neste momento, foi informado que o CONTRAN irá deliberar sobre  a nova data que será exigido o uso do Simulador de Direção, e que esta data deve ocorrer ainda no final do ano de 2013.

Solicitamos ainda uma posicionamento do DENATRAN quanto o uso compartilhado do Simulador de Direção, e foi informado que isto será disciplinado pelos DETRAN´s, também questionamos sobre a qualificação dos Instrutores de Trânsito que irão ministrar aulas no Simulador de Direção e foi informado que serão feitas duas ações, sendo a primeira a ser disponibilizada pelo DENATRAN através de um treinamento a distância e o segundo um treinamento a ser realizado obrigatoriamente pelas empresas que estarão fornecendo este equipamento.

Por último, o DENATRAN informou que  outras duas empresas serão homologadas nos próximos dias, além daquela que já está hom ologada.

- Aprendizagem Noturna: a FENEAUTO apresentou aos representantes do DENATRAN um Ofício (anexo) do ex Deputado Federal Celso Russomanno, autor da Lei que regulamentou a Aprendizagem Noturna, onde o Deputado aponta o seu entendimento de que a Aprendizagem Noturna deve ser de apenas uma hora/aula, neste momento, o Chefe de Gabinete assumiu o compromisso de colocar a solicitação da FENEAUTO de redução no percentual da Aprendizagem Noturna na pauta da próxima reunião do CONTRAN a ser realizada ainda em junho.

A reunião foi interrompida pelos representantes do DENATRAN , solicitando que nós os acompanhássemos no lançamento da Campanha de Prevenção de Acidentes de Trânsito para Motoristas Profissionais a ser realizado no auditório do Ministério das Cidades, neste evento estiveram presentes o Ministro das Cidades -  Sr. Aguina ldo Ribeiro, o Diretor do DENATRAN e Presidente do CONTRAN - Dr. Antonio Claudio Portela Serra e Silva , e os Deputados Federais  - Hugo Leal e Esperidião Amim, após o lançamento desta campanha, os representantes da FENEAUTO mantiveram contato com todas as autoridades presentes.

Em seguida, encerrado o evento, retornamos ao Gabinete do DENATRAN para finalizar os assuntos da pauta, em especial, a formalização do convite para que o DENATRAN possa participar do VII Encontro Ibero-Americano a ser realizado de 12 à 14 de setembro,  em fortaleza /CE.

Finalizando, destacamos que FENEAUTO continuará  vigilante quanto aos temas de interesses de nossa categoria.

Um grande abraço!

Magnelson Carlos de Souza
Presidente
Federação Nacional das Autoescolas e CFC’s - FENEAUTO - Brasil
Em busca da excelência na formação do condutor brasileiro!

quinta-feira, 6 de junho de 2013

Denatran quer exigir simulador para formação de motociclistas em 2015

Autoescolas podem ter sistema similar ao que será obrigatório para carros.

Projetos de lei para motos no país vão de airbag a restrição de circulação.

Em paralelo ao crescimento do número de mortes em acidentes com motos, como aponta o Ministério da Saúde, uma série de projetos de lei tramita no Senado Federal e na Câmara dos Deputados em busca de soluções para os índices negativos. Além das possíveis mudanças, o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) afirmou ao G1 que pretende exigir simuladores nas aulas de autoescolas para formação de motociclistas a partir de 2015.

O Denatran aguarda o protótipo desenvolvido pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) para esse tipo de veículo. A UFSC é responsável pelo simulador que será obrigatório a partir do mês que vem para quem pretende tirar habilitação para carros (categoria B). A ideia é que a tela replique situações reais do trânsito para o condutor aprender a lidar com elas.

Especialistas ouvidos pelo G1 apontam as falhas no processo para obter a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) como um dos grandes causadores de acidentes com motos.
saiba mais
"É necessário mudar o aprendizado e o exame. O que se vê hoje é um condicionamento do motociclista para passar no teste", explica Magnelson Carlos de Souza, presidente da Federação Nacional das Autoescolas (Feneauto) e da Câmara Temática de Formação e Habilitação de Condutores do Conselho Nacional de Trânsito (Contran).

Entre os problemas apontados por ele estão o fato de o motociclista fazer as aulas apenas em locais fechados, sem ter experiência no trânsito. 

"O simulador trará situações de risco que o motociclista enfrentará nas ruas", diz.

"Para o candidato a obter sua habilitação existe um 'adestramento' para cumprir exigências mínimas do exame", opina o instrutor André Garcia, que ministra cursos particulares de direção defensiva para motos. Segundo Garcia, não aprender a trocar de marchas nem frear corretamente são pontos cruciais da má formação de novos condutores.

O Denatran diz que não tem autonomia para criar novas leis, o que fica a cargo de Senado e Câmara, mas trabalha com suas Câmaras Temáticas, discutindo possíveis alterações no sistema de educação para a CNH, além da introdução dos simuladores.

"Nossa proposta é que se mude radicalmente o exame para futuros motociclistas, aprofundando os ensinamentos básicos como frenagem, trocas de marchas e postura", resume Magnelson de Souza.

Projetos de lei

Na Câmara e Senado há projetos de lei que vão da obrigatoriedade de airbag para motociclistas e de freios ABS para motos – os equipamento estarão em todos carros novos até 2014 - a restrições à circulação. Todas as propostas ainda estão em fase preliminar de análise.

Existem ainda projetos que preveem o uso de antenas aparadoras de linha de pipa, agora obrigatórias para motoboys e mototaxistas, e outro que envolve mudanças estruturais nas estradas, como a instalação de guard-rails que protejam os motociclistas, já que os normais podem aumentar os danos com o chamado "efeito fatiador".

O deputado federal Walter Feldman (PSDB-SP) é autor de uma proposta que visa restringir a circulação de motos no corredor, limitando a velocidade a 20 km/h quando o trânsito estiver parado. "A gravidade e fatalidade desses acidentes se dão de forma diretamente proporcional à velocidade", explica Feldman.

De acordo com o Denatran, um artigo do Código de Trânsito que previa a proibição de motos no corredor foi vetado em 1997 pelo então presidente Fernando Henrique Cardoso.

Especialistas questionam a eficácia de restringir a circulação em corredores. "Pela dinâmica da motocicleta o corredor é necessário. Ficar atrás dos carros ou no meio da faixa tira completamente o campo de visão do motociclista. O grande problema do corredor é, como causa primária, a mudança de faixa sem sinalização do veículo maior, e, como causa secundária ou agravante, o excesso de velocidade", afirma Garcia, que, além de instrutor, é advogado e especialista em gestão do trânsito.

Airbag e ABS

No Senado tramita um projeto para tornar obrigatório o uso de airbags para  motociclistas. O produto ainda é pouco difundido no Brasil e o preço varia de R$ 800 a R$ 2.500.

"Ainda é caro sim, embora já tenhamos visto produtos similares ao do principal fabricante que lançou no Brasil com preços mais baixos. Ainda sim tem custo elevado. Por isso a necessidade de algum incentivo do governo para que a produção seja aumentada e que investidores brasileiros e estrangeiros possam ter interesse em produzir em uma escala maior, barateando o custo”, afirma o senador Humberto Costa (PT-PE), autor da ideia.

Atualmente, para motociclistas em geral,  a lei brasileira só exige o capacete. Ela fala também em vestimenta adequada, mas é preciso que esse item sejam regulamentado pelo Denatran, o que não ocorreu até agora.

Na Europa e no Japão já existe grande demanda pelo airbag para motociclistas, apesar de não ser um item obrigatório. Seguindo outro caminho, o da prevenção das quedas, a partir de 2016 todas as motos vendidas na Europa, com cilindradas superiores a 125 cm³, serão obrigadas a ter freios ABS de série. No Brasil, um projeto de lei do senador Cyro Miranda (PSDB-GO) pretende que esse equipamento seja exigido para todos os veículos automotores - em 2014, será obrigatório para carros novos.

A Bosch, empresa que produz o ABS para motos, afirma que 47% dos acidentes são causados por frenagem equivocada ou hesitante, utilizando como base o banco de dados da Alemanha, conhecido pela sigla GIDAS. A função do sistema ABS (AntilockBrake System) é impedir que as rodas travem durante uma freada forte, fazendo o veículo derrapar.

Queda nas mortes em SP

De 2011 para 2012, o número de mortes de motociclistas na cidade de São Paulo caiu 14,5%, passando de 512 óbitos para 438, de acordo com a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET-SP). A entidade credita a queda à intensificação do trabalho de fiscalização e as ações educativas - o órgão oferece curso de pilotagem defensiva para motociclistas.

Desde o início de maio, a CET está testando na cidade bolsões de retenção para motos, posicionados entre as faixas de pedestres e os veículos parados nos semáforos. Segundo o órgão, esta faixa exclusiva tem o objetivo de proporcionar mais segurança para motociclistas e ciclistas, evitando conflito com veículos maiores no momento em que o sinal abre.

A CET informa que esta iniciativa foi baseada em projetos que tiveram êxitos em Barcelona e Madri, ambas na Espanha. Segundo a entidade, estas faixas foram testadas em três cruzamentos em 2009 e, posteriormente, expandidas para outros locais, atingindo atualmente 60 (sessenta) cruzamentos sinalizados. A autoridade de trânsito de Barcelona, onde as motos são 29% da frota de veículos, avalia que a área de espera exclusiva para motos diminuiu em 90% o risco de acidentes com motos nos cruzamentos daquela metrópole.

Motos no exterior

Em países europeus como França, Itália e Espanha a habilitação B (para carros) possibilita ao usuário também utilizar veículos de duas rodas motorizados. "Lá a categoria 'B' pode utilizar motoneta (scooter) até 33 cv", explica André Garcia. Segundo ele, a finalidade é educar, já que o candidato, mesmo que jamais utilize um scooter, compreenderá a dinâmica do veículo de duas rodas e o respeitará na via pública e a mobilidade.

Além disso, o sistema europeu de habilitação é divido em degraus relacionados à idade, à experiência do motociclista e ao tipo de moto. É possível obter a carteira mais básica a partir dos 17 anos. A mais ampla, com 24 anos, ou aos 21, tendo dois anos de experiência na intermediária.

"Acredito que a formação prática para tirar carteira é mais completa na Europa. Vejo mais motociclistas tendo noção dos limites de suas motos, mesmo com pouca experiência, enquanto no Brasil vejo muito mais o motociclista aprendendo por si mesmo e cometendo mais imprudências", explica o motociclista franco-brasileiro Eric Breuillac, que viveu por anos em Paris e agora mora em Paraty (RJ), onde possui uma oficina para motocicletas.

Nos EUA, um estudo recente encomendado por seguradoras apontou a alta no número de pedidos de indenização em Michigan depois que o estado passou a exigir o uso de capacete apenas de motociclistas com menos de 21 anos -por 40 anos, essa obrigatoriedade era para todos os usuários.


O abrandamento dessa lei tem sido uma tendência naquele país, onde cada estado define suas regras de trânsito. Atualmente, 19 deles e o Distrito de Columbia ainda exigem que todos os motociclistas usem o equipamento e 28 só obrigam uma parte deles, geralmente os mais novos. Três estados não têm lei sobre o assunto.

Fonte: Rafael Gioto do G1

segunda-feira, 3 de junho de 2013

Biometria para as categorias C, D, E


Oficio 030/ 2013

Informação (presta)

Belo Horizonte, 28 de maio de 2013.

               
Prezado Diretor,

                Venho, por meio deste, informar que a partir do dia 03/06/2013 o DETRAN-MG verificará o cumprimento da carga horária das aulas práticas de direção veicular das categorias C, D e E pelo sistema biométrico.

                O período de transição para a verificação do cumprimento da carga horária, através do sistema biométrico, para os candidatos que já iniciaram o processo de adição de categoria será entre 03/06/2013 a 30/06/2013.

                Após 01/07/2013 o envio do certificado de cumprimento da carga horária destas categorias será confrontado com os dados enviados pelo CFC através do sistema biométrico.

                A abertura e fechamento das aulas deverão ocorrer na sede do CFC e esta aplicação valerá para todo o Estado de Minas Gerais sem escalonamento.

                Att,



Rodrigo Fabiano da Silva

Presidente do SIPROCFC-MG

Continue nos visitando