Pesquisar este blog

Tradutor

quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

Você ainda acredita que o governo está preocupado com a redução de acidentes?

 

Interprete o gesto e dê a sua opinião. Leia com bastante atenção essa reportagem!!!

A minha insatisfação e indignação com o que vem acontecendo no país parece não ter fim. Notícias como essas é que nos fazem compreender o que de fato tem importância no país e qual o objetivo maior disso tudo. Assim fica fácil compreender porque desejam implantar o Simulador de Direção (leia mais) nas Auto Escolas. Os interesses comercias sobrepõem a qualquer tentativa de priorizar a vida. 

Em uma ação temerária e inconsequente, mas visando superar a crise econômica existente, embora negada veementemente (leia mais em: Sinais de enfraquecimento da Economia), o Sr. Guido Mantega deverá anunciar a prorrogação da data de exigência dos itens de segurança como Airbag e ABS para os carros que deveria ser a partir de 2014.

Preocupados com a inflação, com o fim do incentivo promovido com a redução do IPI em 31/12/2013; com o aumento dos preços dos veículos; com a promessa de fechamento dos postos de trabalho das montadoras; em uma ação inconsequente de tentar justificar que estes itens de segurança serão os responsáveis pela queda da cadeia produtiva, o governo federal divulgará uma Medida Provisória (MP) adiando a obrigatoriedade de adoção de freios ABS e airbags frontais em todos os veículos produzidos.


De um lado, o governo ganha pontos com as montadoras e com os sindicatos, mas perde com os defensores de maior segurança no trânsito. Os air bags são exigidos nos EUA desde 1998 e na União Europeia desde 2007. Os veículos mais recentes no Brasil já contam com o dispositivo. (Fonte: Com informações da Exame.com Publicado Por: Fábio Carvalho)

Você ainda acredita que estão preocupados com a redução de acidentes e em preservar a vida?


Um questionamento ao Denatran, ao Contran, aos Detrans do país que estão promovendo um verdadeiro massacre à conduta dos educadores de trânsito julgando-nos como responsáveis pelos altos índices de acidentes no país: 

Será mesmo que somos responsáveis por isso? Diante de uma reportagem como essa a máscara desses hipócritas do colarinho branco cai e o caráter se revela através dos interesses mais escusos existentes neste país.

Veja abaixo a reportagem:

Decisão foi tomada sob o argumento de que a mudança iria gerar demissões nas montadoras. Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, o governo oficializará a prorrogação na semana que vem.

Por André JANKAVSKI
O governo federal divulgará uma Medida Provisória (MP) adiando a obrigatoriedade de adoção de freios ABS e airbags frontais em todos os veículos produzidos, que estava previsto para vigorar já no mês que vem. A afirmação partiu do secretário-geral do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Wagner Santana, durante a assembleia da entidade, na terça-feira 10, e confirmada pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) nessa quarta-feira 11. Segundo os órgãos, a adaptação ocorrerá de maneira gradual até o início de 2016.
Por meio de sua assessoria de imprensa, a Anfavea confirmou que recebeu a notícia já como decisão e que está avaliando os próximos passos. O ministro da Fazenda, Guido Mantega, também informou que se reunirá na próxima semana com representantes da associação para discutir o adiamento. “Estamos preocupados com o impacto sobre o preço do carro, pois o elevaria em até R$ 1,5 mil”, disse Mantega. As mudanças, impostas por duas resoluções do Conselho Nacional de Trânsito, estavam previstas desde 2009. 
De acordo com o sindicalista Wagner Santana, a decisão ocorreu durante a premiação de doutor honoris causas do ex-presidente Lula na Universidade Federal do ABC, na quarta-feira 4. Durante a cerimônia, o presidente do sindicato, Rafael Marques, conversou com a presidenta Dilma Rousseff sobre as demissões que a obrigatoriedade poderia causar, especialmente na fábrica da Volkswagen, em São Bernardo do Campo. A montadora alemã, que já tinha anunciado o fim de produção da Kombi e do Gol G4 por não comportarem os novos acessórios, afirmou, por meio de sua assessoria, que seguirá toda e qualquer nova regra a ser aplicada no setor automotivo.
A líder do setor Fiat, que deixaria de produzir o modelo Mille, afirma que aguarda a decisão oficial e que cumprirá com suas obrigações. Já a Ford se diz preparada para atender a legislação anteriormente prevista para 2014.


Att.
Emerson Santana

Texto/Opinião: Emerson Santana.
* Graduado em Ciências Econômicas pela UFSJ – São João Del Rei/MG
* Especialista em Gestão em Finanças  pela UFSJ- São João Del Rei/MG
* Especialista em Gestão, Educação e Segurança para o Trânsito - Belo Horizonte/MG
* Consultor Administrativo e Financeiro
* Ministra Cursos de Orçamento Pessoal e Familiar
* Ministra Cursos de Gestão Financeira para MPE's in Company 







Nenhum comentário:

Postar um comentário

Continue nos visitando